quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

Pedrada à porta de casa

Sem tempo disponivel para rumar a paragens mais distantes, combinei com o Nelson umas pedradas à porta de casa no aceio da manhã. A espécie alvo seria as Douradas, que nesta altura do ano fazem as suas últimas aparições antes de arribarem para mares mais fundos e proporcionam verdadeiros momentos de prazer a quase todos os pescadores.
Canas de molho e foi preciso esperar pouco para sair o primeiro peixe, neste caso um Safio capturado pelo Nelson. Não era bem o peixe pretendido mas a coisa prometia...e não foi preciso aguardar muito tempo para sair o primeiro Sargo de jeito.


O rumor de peixe era constante, embora nem todos tivessem boca para engolfar o anzol e as iscadas generosas, quando o Nelson sentiu um toque estranho... Após dar a ferrada, sentiu um peso morto e depois de meter à cara d´água viu que era uma Santola.

Santola, madame? LOL

Mais umas varejadas, entre peixe devolvido, peixe perdido (o Nelson perdeu dois bons peixes), um Polvo e algumas enrocadelas, até que saiu a primeira Dourada. Já não era sem tempo pois o aceio da manhã já ia quase no fim e o sol já se fazia anunciar, apesar do céu estar um pouco encoberto.


No começo da manhã, já com o sol a brilhar, saiu a segunda Dourada e a meio da manhã ainda saiu mais um Sargo jeitoso quando demos por encerrada a jornada de pesca pois o sol já malhava na pele, apesar de estarmos em Novembro!


Para o final deixo-vos a habitual foto de familia da praxe e uma foto de um aceio de tarde com uma paleta de cores espectacular. É caso para dizer: o Algarve é um paraíso!



Saúde, da boa! ; ))





quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

Debut na "Pedrada"

Caros leitores e seguidores,

Pessoalmente, nunca fui um grande adepto da pesca surfcasting uma vez que o meu entusiasmo pela faina localiza-se noutras especialidades, como a pesca apeada da rocha ( boia e chumbica ), ilhadas e spinning.

Porém, um dia destes o meu amigo e camarada de pesca Paulo Cabrita, lançou o repto de irmos fazer um surfcasting à noite na praia. Não tive como recusar este desafio e para variar de "ambiance", aceitei sem hesitar.

Varas armadas, iscas dentro de àgua e o resultado final não deixou de ser curioso e de certa forma supreendentemente auspicioso porque... tive o privilégio de apanhar um robalo.



Sendo um ceptico por natureza, classifico esta jornada como " sorte de principiante".

Não obstante, a pesca em si sobrepõe-se às quantidades e qualidades do pescado porque a meu ver, o giro desta atividade ludica é o convivio e o companheirismo entre a malta.

A ver vamos, para quando marcamos a próxima pedrada! Não é Paulo Jorge?!

Abraço a todos e até à próxima postagem.

NC

quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

Zagaiada

Com o peixe inconstante junto à costa, tenho aproveitado para efectuar outro tipo de pescas que há uns tempos não fazia. Uma breve combinação com o meu amigo Daniel resultou numa saída de barco em busca de peixes que se atirassem às zagaias. Os eleitos foram os Pargos e os Robalos, mas se destes últimos houve capturas, já os primeiros andaram um pouco arredios, embora se tivesse prendido um que, infelizmente, desferrou...
O estado do mar não estava de feição e a saída da barra mostrou-se bastante complicada, como demonstra a imagem, mas com paciência e destreza conseguiu-se ultrapassar o dificil obstáculo.


Já ao largo da costa, o mar-de-leva com um periodo grande trazia bastante águagem, pelo que foi necessário a utilização de zagaias relativamente pesadas (100/150grs) em fundos rochosos, que variavam entre os 40/50mts, para os Robalos, e os 70/80mts, no caso dos Pargos.


De manhã cedo o peixe mostrou-se algo activo, que resultou nas capturas documentadas na foto, mas para o final da manhã o peixe já estava algo desconfiado ou enfastiado (a comedia andava no local, como demonstram as Cavalas XXL capturadas), o que ocasionou algumas desferragens.

Saúde, da boa! ; ))

sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

A ilhada de Julho

Caros amigos e leitores do blog,

Antes de mais, gostaria de esclarecer os seguidores mais frequentes que devido a questões profissionais inerentes à hotelaria, que o tempo disponível é manifestamente diminuto para me dedicar à pesca.

Contudo, num fim de semana em que se avizinhavam boas condições para a realização de mais uma ilhada, uma simples troca de telefonemas com o brother Renato, foi quanto baste para se combinar a jornada.

Analisadas as condições do mar e vento ( um suoeste forte ), optamos por selecionar uma pedra que tão bons frutos já nos concedeu.

Iníciamos a pesca, exprimentando um spinning com vinis que viria a render 3 robalotes. Em seguida, com a conta de àgua suficiente, investimos no sargo utilizando a técnica mais infalível neste tipo de pesca: a chumbica! A isca usada recaíu sobre os ralos e perceves.

Peixe após peixe, a ceira ia ficando composta até o vento em excesso ter evoluído para um maldito "ciclone" não permitindo continuar a pescar.

Remeto a foto da ilhada de Julho com o pescado...


Como apontamento final, tendo sido informado  por malta amiga que as visitas à costa vicentina não têm sido boas uma vez que o peixe está arrediu andando em parte incerta.

Vamos ver o que reserva aos Marafados na próxima viagem aquelas paragens.

Abraço a todos.

NC

quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Besugos de Verão


Com a chegada do Verão, os mares mansos permitem a pesca ao fundo da praia ou de cima da rocha, proporcionando a captura de espécies que durante o Inverno permanecem fora do alcance dos nossos lançamentos. A realização de pescas mais tranquilas, sem ter que fazer grandes caminhadas, alpinismo ou dar à barbatana, também dão bastante gozo e permitem dar descanso ao corpo, carregando baterias para pescas mais exigentes a nivel fisico. No entanto, a pescar em zonas de falésia, é necessário ter muito cuidado e a atenção deve ser redrobada!

Saúde, da boa! ; ))