quinta-feira, 4 de abril de 2013

A Ceira ou Ceirão

Consiste numa alcofa de maiores dimensões, feita de esparte ou de empreita, que foi trazida para a Peninsula Ibérica pelos Árabes e que servia para o transporte de produtos e utensilios agricolas, tendo sido adaptada à pesca pelas gentes da Costa Vicentina. Na zona de Vila do Bispo também existem ceirões feitos em fio, muito resistentes e pesados. Actualmente, os ceirões, são feitos em fitas plásticas para ficarem mais leves sem perderem a resistência necessária para acartar grandes pesos.





Luis, artesão e artista

São já poucas as pessoas que se dedicam a esta arte ancestral e muito trabalhosa. Consoante as especificações dadas pelos pescadores, a realização de um ceirão pode levar entre uma a duas semanas de trabalho, ininterrupto! O processo de entrançamento das fitas obedece a regras criteriosas para evitar enganos e, consequentemente, perda de resistência. Os ceirões podem ser personalizados ao gosto de cada um, sendo que os pescadores mais experientes preferem-nos de grandes dimensões, os quais se chamam Gorpelhas.

 


Saúde, da boa ; ))

13 comentários:

Anónimo disse...

Boas. Qual é o preço mais ou menos desse ai da foto?

Anónimo disse...

Boas paulo

não me digas que é o novo ceirão do Nuno....os meus podem não ser melhores mas são mais bonitos...

Saudinha

Manuel disse...

Por acaso ando há q tempos para arranjar um só que como não vi nenhum de jeito..

Forte Abraço

PêJotaFixe disse...

Boas, Anónimo!
O preço, só perguntando à pessoa que os faz.

Viva, Francisco!
O Nuno já tem um. Não me digas que o teu é cor de burro a fugir...quero dizer, verde!? eheheheheh

Bos, Manel!
Um pescador do teu gabarito, que frequenta a Costa Vicentina e não tem um ceirão, é uma falha grave! eheheheheh

Saúde, da boa, para todos ; ))

Cristóvão Veríssimo disse...

Pois atão! Quero um desses!
Onde é?

Saúdee!

PêJotaFixe disse...

Cristovão,
É aqui na minha terra.

Saúdinha ; ))

Pedro Franco disse...

Boas Pêjota,
Também quero um para mim, mas pode ser dos mais pequenos para ser à medida do peixe que apanho hi hi hi.
É sem duvida uma ferramenta que faz muito jeito a qualquer pescador, é bom divulgar esta nobre arte, para valorizar o trabalho do mestre artesão, pena é que estas artes tendem a acabar por falta de seguidores e também porque se tornam peças caras, mas sem duvida que valem bem o dinheiro.
Saudinha da boa e grandes Ceirões de peixe.

Pedro Nunes disse...

O ceirão é um clássico da Costa Vicentina que espero que continue vivo para sempre...
E esses são bem bonitos...

j.m.miguda disse...

Boas malta, antes de mais um ganda abraço ao meu amigo Luis "da estação", épá na sabia que fazias ceirões. Por acaso o meu ainda dá para as curvas mas se saber de alguem dou-te um toque.Um ab a todos os marafados, JM

PêJotaFixe disse...

Viva, Pedro(s)!
Pois é, estas artes não se devem perder e no que toca à minha parte faço tudo para a divulgar e manter viva.

Mékié, Zé!
Nunca mais disseste nada... Já há muitos anos que o Luis "Trakinas" faz ceirões e boias. eheheheh

Haja saúde! ; ))

Ruben Simoes disse...

Boas Pejota
Muito boa esta divulgação, pois é realmente uma arte fantastica, não sei explicar o porque, mas desde que conheço a "ceira" que sou fascinado e gostava muito de aprender a fazer tal coisa (tenho que me mudar ai para baixo) lol
Um abraço

Abilio Pires disse...

Boas,
Aonde se pode comprar um ceirão da vicentina?
Alguém me arranja um contacto?

cmps

PêJotaFixe disse...

Envie-me o seu endereço de E-mail para o mail dos Marafados que se encontra no rodapé do Blog.

Saúdinha ; ))