terça-feira, 13 de abril de 2010

Foi o que restou…

O mar, de enchios, com vaga de 2mts tinha bastante força pelo que esperei cerca de meia hora, para o ver trabalhar, antes de decidir avançar mar dentro a caminho da pedra ilhada.
O dia começou logo mal pois perdi quatro Douradas seguidas. Recompôs-se logo de seguida ao apanhar duas a rondar o 1,5Kgs, cada. Depois, nem vê-las! Entretanto começaram a encostar os Sargos. Apanhei seis seguidos, todos com mais de 1Kg. Fiz um compasso de espera para não escaldar o peixe, dado o seu tamanho. Nova investida e apanho mais quatro seguidos da mesma bitola. Novamente uma pausa. Outra investida e, novamente, mais quatro para o bornal. Foram os últimos…
Sem que o mar se fizesse anunciar, levanta-se uma vaga enorme que abafou a pedra toda! Só me deu tempo de correr para junto do material, que estava numa racha, e jogar-me para cima dele e fazer “fixe” na pedra em forma de tesoura. O peixe que tinha na saca foi todo com o mar só me restando os últimos quatro que tinha no bornal à cintura.


Arrumei a trouxa e levantei ferro porque, depois do mar ter levado o peixe, o próximo podia ser eu.

Abraço e saudações piscatórias

11 comentários:

Anónimo disse...

Cuidado que elas não perdoam,pena o mar ter-te levado o peixe mas mais vale o peixe que te ter levado,Abraço amigo.

Cézar

AcsNeves disse...

Boas Paulo

Pois, o mar na costa norte tem dessas por vezes! Por isso não aconselho qualquer um a meter-se lá dentro sem conhecer a zona, pois não é para qualquer um. Com voçês o caso é diferente, já conhecem bem, mas um cuidado redobrado nunca é demais, "um olho no burro outro no cigano"! Antes o peixe ter ido do que tu!

Um abraço

Kaywox disse...

prontos agora entendi o teu ultimo comentario....

uma coisa é ir pescar outra é fazer montanha russa sem cinto....mesmo para quem esteja habituado pode ser perigoso.

mas o meu convite para pescar se mantem...para ir para a montanha russa....só de cinto.hehehe


1 abraço

barreira disse...

mais vale o peixe a bazar do que o helicoptero no ar.

abraço

MR disse...

Estes mares de primavera ainda com cheiro a inverno é falso, todo o cuidado é pouco, por vezes ele faz-nos a parte.
pena a saca ter ido, mas antes a saca que o dono.

Ab

Anónimo disse...

Boas:

Paulo,a experiência ás vezes não é tudo.A vida é curta.
Compreendo.
Não desanimei,já tenho dez pessoas,a fazer projectos para a minha prancha,desde fibra de vidro a teflon,.....
Paulo és........Obrigado


Paiva

Nuno Caçorino disse...

Brother,

Quem anda à chuva molha-se, mesmo com guarda chuva e por essa razão, às vezes estas situações são passiveis de acontecer apesar do risco calculado! Nós os 2 juntos já tivemos a nossa conta! LOL

Faz parte de quem vai à pesca e por conseguinte encaro isso com relativa normalidade.

Abração mizade.

António Simões disse...

Eu não encaro isso com normalidade.
De facto com 48 anos e muito bem fisicamente correndo meias-maratonas e subindo e descendo falésias continuas num dia na Gaiza,procurando os sargos sem engodagem, vi-me tentado a "ver" os jovens das fotos e as pescarias a comprar uma prancha para me ilhar por lá,mas é um jogo perigoso.Não tenho essa experiencia.O meio faz o pescador, a adaptação ao meio faz a pesca.Espero que os mais jovens não corram riscos e se o fizerem que acompanhem pescadores experientes como estes.
Mar de senhora é uma coisa, mar a crescer é outro.No mar não há riscos calculados.Se fosse assim não morriam tantos, principalmente pela costa Alentejana e Vicentina.
Certamente o autor do blog o criou com uma vertente ludica,ética e desportiva,promovendo a mesma com regras de segurança ensinando isso mesmo. Conforme descreve nas suas acções, mas sendo um local de acesso publico certamente terá de compreender que as criticas venham de onde vierem para quem não vive por aí é de dificil compreensão e por vezes de intolerancia para alguns.
A essencia da pesca não é o nº de peixes que captura mas de momentos belos e inesqueciveis como da pescaria com aqueles "jovens" de 30 anos em cada perna. Esses momentos deram-me alegria contagiante também. A segunda descrição...não.definitavamente.

Cumprimentos
António Simões

PêJotaFixe disse...

Amigos,
Obrigado a todos pelos comments.

Como dizem os Americanos "It´s part of the game", traduzido para Português "Faz parte do jogo". Quem lá vai tem que ter consciência que esta actividade tem sempre o seu risco. Neste caso, o conhecimento adquirido ao longo dos anos permite-me conhecer bastantes bem o mar, o local de pesca e maneiras de conseguir minizar os riscos inerentes a qualquer situação mais embaraçosa que possa advir de situações que não conseguimos controlar, como é o caso da Natureza.
No meu caso, já tenho endossado e recebido alguns convites para este tipo de pesca. No entanto, e primeiro que tudo, gosto de avaliar o grau de conhecimento e experiência das pessoas. Não é que não existam outras pessoas com experiência como eu. A minha consciência é que não iria ficar tranquila e não me conseguiria concentrar na pesca duvidando da aptidão do camarada. A pesca, como outra actividade qualquer, requer grandes doses de concentração. Não se trata de uma brincadeira. São coisas sérias e é a nossa vida que poderá estar em jogo. Temos que ter amor a nós próprios e saber o que andamos a fazer e quem não pensa assim poderá estar no hobbie errado.
Ao relatar esta situação quero que as pessoas tenham consciência daquilo que lhes poderá acontecer e, se alguma vez estiverem numa situação idêntica, saibam como hão-de proceder e lidar com ela.
Vou-lhes deixar aqui algumas dicas que vos poderão ajudar a evitar incidentes indesejáveis:
1. Antes de ir para qualquer pedra ilhada:
a) Certifique-se que tem o equipamento adequado para realizar esta actividade;
b) Verifique o estado do mar. Veja-o "trabalhar" durante 15 minutos, pelo menos;
c) Esta actividade requer aptidão física.
1.1 Antes de chegar à pedra ilhada tente perceber qual o local mais seguro e que lhe oferece melhores condições para atracar.
2. Depois de estar em cima da pedra:
2.1 Antes de começar a pescar:
a) Conheça a pedra toda à sua volta;
b) Coloque as coisas em local seguro;
c) Prenda, com um cabo, a prancha e as barbatanas à rocha pois elas são o bilhete de volta;
d) Tente perceber qual o melhor local para uma eventual saída de emergência.
2.2 Depois de começar a pescar:
a) Esteja sempre atento ao mar;
b) Nunca vire as costas ao mar;
c) Assim que o mar dar um "aviso" prepare-se para abandonar a pedra.
3. Quando deixar a pedra ilhada procure sair numa praia porque é mais seguro.

Abraço e saudações piscatórias

reisroby disse...

pesco na costa vicentina desde os meus 16 anos mais propriamente na zona de sagres. ja vi o mar fazer inumeras coisas totalmente diferentes umas das outras. mas o que sei e que temos que ter muita atenção,nas pancadas das mares e principalmente quando o mar è mar de fora ou mar de leva como queiram chamar.um abraço e boas pescarias.portimao :roberto reis

PêJotaFixe disse...

Amigo Roberto,
Estava meia maré, pelo que não era a "porrada" ou pancada de enchente ou vazante. Eu sei o que quer dizer, mas às vezes aparecem aquelas desmandadas que a gente não está à espera. Neste caso reparei no mar a recuar mais que o habitual e vi a vaga a encapelar nuns atravessados que estão por fora. Se não conhecesse bem o local e o mar... Temos é que estar sempre com o olho no cigano, não vá ele a caminho do burro... lol

Abraço e saudações piscatórias